Um ano depois do lançamento do Chromecast, dispositivo capaz de transformar qualquer televisão com entrada HDMI em uma smart TV, a Google resolveu disponibilizar uma nova versão para o pequeno aparelho. A segunda geração do Chromecast trouxe um design remodelado e mais funcional, além de conexões aprimoradas e a promessa de uma transmissão de conteúdo mais rápida e fluida do que nunca.
Será que o novo Google Chromecast é um bom investimento, especialmente para quem já possui a sua primeira geração? E será que ele representa uma verdadeira evolução em relação ao seu antecessor? É isso o que você confere em mais uma análise do TecMundo.

Especificações técnicas

  • Saída: HDMI e compatibilidade CEC (Consumer Electronics Control)
  • Resolução máxima de saída de vídeo: 1080p (Full HD)
  • Dimensões: 51,9 mm x 51,9 mm
  • Espessura: 13,49 mm
  • Peso: 39,1 gramas
  • Portas e conectores: HDMI e micro USB
  • Cores: preto, vermelho (Coral) e verde (Lemonade)
  • Padrão Wireless: 802.11 b/g/n/ac Wi-Fi (2.4GHz/5GHz)
  • Segurança Wireless: WEP, WPA/WPA2
  • Energia: 5V, 1A
  • Sistemas operacionais suportados: Android 4.1 (ou superior), iOS 7.0 (ou superior), Windows 7 (ou superior), Mac OS 10.7 (ou superior) e Chrome OS (em um Chromebook rodando Chrome 28 ou superior)

Design

Em um primeiro momento, o aspecto que mais chama atenção na segunda geração do Chromecast é o visual. O aparelho não tem mais aquela cara de "pendrive com esteroides", assumindo o formato de um pequeno disco bastante compacto e realmente discreto.
A conexão HDMI agora está localizada na ponta de um pequeno cabo flexível que se prende magneticamente à peça principal. O novo formato é pratico e evita inconvenientes em TVs que ficam muito próxima da parede. Outra novidade é a chegada de uma variedade de cores para o Chromecast. Além do tradicional preto, também há uma versão amarela (Lemonade) e outra vermelha (Coral).

Desempenho

O modo de funcionamento do novo Chromecast não mudou em relação ao do antecessor. A conexão HDMI, uma fonte de energia e uma rede WiFi ainda são os pré-requisitos para ele funcionar corretamente. Depois da sincronização, basta selecionar a opção para começar a transmitir o conteúdo para a TV.
Porém, a adição do suporte à rede dual-band traz como novidade a compatibilidade com rede de 5 GHz e com o padrão WiFi AC. Isso significa muito mais velocidade na troca de dados entre o dispositivo e o roteador, o que resulta em maior rapidez e fluidez nas transmissões.
Outra novidade é a atualização do aplicativo Chromecast, que agora está bem mais completo e fácil de usar. O app mostra os programas de vídeo, áudio e jogos que são compatíveis com a tecnologia e estão instalados em seu smartphone. Através do computador, a utilização do Chromecast ainda exige uma extensão própria, mas ainda assim funciona muito bem.


Compatibilidade

A quantidade de dispositivos compatíveis continua grande. É possível transmitir conteúdo a partir de aparelhos Android, iOS e computadores com Windows, Mac OS e Chrome OS. Apesar de a lista de aplicativos ainda ser um pouco limitada, a Google promete que mais apps vão integrar o ecossistema com o tempo.
Ainda há uma variação do Chromecast chamada de Chromecast Audio, que foi especialmente desenvolvida para os amantes de música. Essa versão se conecta diretamente ao dispositivo de som, permitindo a reprodução de áudio sem grandes dificuldades.

Vale a pena?

O Chromecast ainda é uma ferramenta incrível para quem quer transformar a sua TV em um aparelho inteligente. Porém, não é uma aquisição válida para quem tem o aparelho da primeira geração. Apesar de ainda não estar disponível aqui no Brasil, essa será uma ótima opção para os consumidores, especialmente porque a Google manteve o preço de 35 dólares.
Se você pode importar o produto com facilidade ou tem paciência para esperar que ele chegue, vale a pena adquirir o novo Chromecast assim que ele estiver disponível.